Seguidores

quinta-feira, 19 de março de 2009

PAI E FILHO(A)




Tive um Pai de quem guardo ensinamentos, compreensão, respeito, recordações e que tanta falta me faz.
Os meus filhos têm um Pai que os orientou e ensinou, incutindo ideais como a honestidade, solidariedade, lealdade e liberdade.

O meu Pai foi feliz pois como filha muito o amei, recordando-o sempre com uma grande saudade.
O Pai dos meus filhos é feliz por ter os filhos que tem, neste mundo tão materialista, individualista e conturbado.

Num caso e no outro este é um dia muito feliz!

Mas e o filho(a) que não tem esta imagem do Pai e o Pai que não é lembrado pelo filho(a)?

Nestes dias em que a sociedade institucionalizou dedicar e recordar alguém eu continuo hoje e nos restantes 364 dias do ano, a dar-lhe o seu grande valor!

8 comentários:

Patti disse...

Sempre presente, como o meu que felizmene não necessita deste dia para ser lembrado.

Anónimo disse...

tb tive o mesmo Pai de que tanto me orgulho
bjo grande

bacouca disse...

Patti;
É um alarido nestes dias convencionados para comemorar isto ou aquilo, mas felizmente nós não somos "maria vai com as outras". Temos a felicidade de pensar no que deve ser recordado todo o ano, toda a vida!!!
Um beijo

bacouca disse...

Anonimo;
Teve o mesmo Pai que eu? Caraças então temos os mesmos genes!!!
Pudia pôr só as iniciais pois na verdade, o meu Pai marcou tanta gente que tenho amigas e amigos que o tratavam por Pai: ou Pai José Maria ou Pai Rocha Peixoto.
Um beijo.

Anónimo disse...

O teu pai, também foi meu - passe a imodéstia - no dia em que casei contigo. Recordo-o como um homem bom, estruturalmente bom, o que, assim dito, quer dizer tudo.

bacouca disse...

Anónimo;
Primeiro anónimo vivendo comigo?! Caraças, a casa está grande com a saída dos "rebentos" mas acho que agora até "nos vimos" mais...!!!
Ele também te adorava: o foste o filho (macho) que ele sempre sonhou!

Luz disse...

Bacouca

Somos privilegiadas.
E que saudades de celebrar cada dia ao seu lado...
Beijos

Lucia

bacouca disse...

Luz,
Na verdade fomos umas privilegiadas!
As saudades são grandes, amiga, talvez dos poucos sentimentos que nunca diminui com o tempo. Antes pelo contrário aumenta. Mas as recordações são tão gratificantes que conseguimos que estejam sempre presentes na nossa vida!
Um beijo